Inventário Diário

Como justificamos com facilidade nossa grosseria para com os outros. Estamos muito ocupados para dizer “obrigado” ao funcionário no shopping. A garçonete demorou muito para trazer nossa bebida, por isso fazemos o pedido de forma brusca sem dizer um “por favor”. Amar ao próximo como a nós mesmos simplesmente não se aplica ao vizinho com os cachorros que não param de latir.

Amor que floresce na angústia

No meio da noite, um pastor foi levado às pressas para a sala de emergência e prontamente foi internado no hospital. Sua esposa nervosa, os filhos adultos e uma longa fila de amigos seguiram o pastor e a enfermeira que o levava até a sala de exames. A enfermeira se virou para o grupo e disse com firmeza: “Só é permitida a entrada do paciente; todo mundo tem de ir para a sala de espera.” Assim que os amigos saíram da sala, os familiares abalados informaram à enfermeira, com todas as letras, que ninguém iria fazê-los sair, dizendo: “Vamos à administração se você tentar fazer-nos deixar nosso pai”, e: “nós queremos ter certeza de que alguém vai cuidar dele”.

Leia mais

Enquanto fazia perguntas ao paciente sobre o histórico médico dele, a enfermeira perguntou qual era a ocupação dele. Com carinho, o pastor olhou para a esposa e os filhos e, orgulhosamente, anunciou que havia mudado de profissão havia pouco tempo e que agora estava trabalhando no ministério de uma grande igreja local. A tensão desapareceu quando as perguntas acabaram. 

 

A enfermeira saiu da sala para terminar seus deveres, e a esposa do pastor saiu rapidamente atrás dela e pediu-lhe desculpas sinceras pela grosseria impulsiva da família. A enfermeira, por sua vez, expressou tristeza pela severidade da mulher e explicou que não teve a intenção de fazer a família sair. Ela simplesmente achou que seria bom para o pastor pedir aos muitos amigos ansiosos que esperassem em outro lugar. Por meio dessa rápida conversa, criou-se um forte vínculo de respeito mútuo entre as duas mulheres. Ao longo da internação do pastor, a enfermeira regularmente deixava a família a par dos exames, insistia em que a mulher e os filhos descansassem, levava café para eles e, mesmo quando foi designada a outra ala do hospital, passava nos intervalos por ali para ver como estavam o pastor e a família dele.

Dia a dia

Ao completar cada dia, você pode adquirir o hábito de perguntar ao seu Poder Superior, Jesus Cristo, se suas ações ao longo do dia demonstraram ou não amor por seu próximo. O Princípio 7 mudará drasticamente você e seus relacionamentos.  

Ao trabalhar o sétimo princípio — “Reservo, diariamente, um tempo com Deus para autoavaliação, leitura da Bíblia e oração, a fim de conhecer a Deus e a sua vontade para minha vida e obter a força para segui-la” —, você começa a jornada em que aplica o que descobriu nos seis primeiros princípios. Você viverá cada dia com humildade — na realidade, não em estado de negação. 

Você fez o possível para reparar os erros de seu passado. Com a direção de Deus, agora pode fazer escolhas com relação às emoções que influenciarão seu pensamento e comportamento. Você começa a ter uma ação positiva, em vez de ficar preso em um ciclo de constante reação. 

No sétimo princípio, desejamos crescer diariamente em nosso novo relacionamento com Jesus Cristo e com os outros. Em vez de tentarmos estar no controle de todas as situações e de todas as pessoas com quem temos contato ou de perder totalmente o controle, estamos começando a mostrar domínio próprio — para agir e responder como Deus deseja. Lembre-se de que “o eu sob controle” é nosso objetivo imediato, mas de que nosso objetivo final é o “eu” sob o controle de Deus.

O que Jesus diz sobre isso?

Jesus nos deu uma lista de coisas em relação ao nosso novo estilo de vida que devemos examinar diariamente. Ela se chama o “Grande Mandamento” e se encontra em Mateus 22.37-40: “‘Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente.’ Este é o maior mandamento e o mais importante. E o segundo mais importante é parecido com o primeiro: ‘Ame os outros como você ama a você mesmo.’” 

 

Ao viver diariamente estes dois mandamentos pela prática do Princípio 7 em sua vida, você se tornará cada vez mais parecido com Cristo. Você se tornará alguém que pratica a Palavra de Deus, e não apenas um ouvinte passivo. O texto em Tiago 1.22 instrui-nos: “Não se enganem; não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática.” Suas ações precisam condizer com suas palavras. Você, afinal, pode ser a única “Bíblia” que outra pessoa já viu ou ouviu. Como é se ver como uma “Bíblia Viva” na vida real? Foi assim que o apóstolo Paulo viveu. Na primeira carta aos Tessalonicenses 1.5, [ele] diz: “Pois temos anunciado o evangelho a vocês não somente com palavras, mas também com poder, com o Espírito Santo e com a certeza de que esta mensagem é a verdade. Vocês sabem de que maneira nos comportamos no meio de vocês, para o próprio bem de vocês.” Outros precisam ver a verdade de Deus refletida em sua vida. 

 

Isto só pode acontecer se você dedicar um tempo diário: 

  • com Deus para completar seu inventário;
  • para ler da Bíblia;
  • para orar e, assim, conhecer Deus e a vontade dele para sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *